5 dicas para evitar conflitos entre franqueadores e franqueados

Como evitar conflitos entre franqueadores e franqueados? Sem dúvidas, durante uma parceria é comum que pontos de discordância sejam debatidos entre as partes. Essa discussão é normal e pode servir como base para o aperfeiçoamento dos processos de trabalho, resultando em benefícios para todos.

conflitos entre franqueadores e franqueados

Contudo, disputas sem solução podem acabar na Justiça e prejudicar o negócio. Para evitar esse cenário, é importante ter atenção às 5 dicas descritas neste post. Confira!

1. Compreenda o modelo de negócios

Antes de firmar a parceria, é fundamental que o interessado avalie com atenção o modelo de negócios da franquia e se ele possui o perfil para administrá-la. O empreendedor deve observar se os valores e a forma de trabalhar da rede estão em conformidade com aquilo que ele acredita.

Essa sintonia é muito importante para assegurar o diálogo em situações que apresentem divergências no decorrer do empreendimento. O período de estudo também evita que o investidor seja surpreendido por procedimentos e determinações da franqueadora.

2. Converse com franqueados mais antigos

Conversar com outros franqueados também deve fazer parte do processo de avaliação do investimento na franquia. O diálogo permite compreender em detalhes processos e desafios do dia a dia.

Esses empresários já estão há mais tempo no ramo e com certeza já passaram por situações de adversidade com a franqueadora. Assim, procure saber como o conflito foi resolvido e qual foi a disponibilidade e o interesse da rede para solucionar a divergência.

3. Analise o contrato com atenção

A Circular de Oferta da Franquia (COF) é um documento importantíssimo elaborado pelo franqueador para apresentar o negócio ao interessado. Por Lei, o prazo máximo de entrega da COF ao franqueado é de até 10 dias antes da assinatura do pré-contrato.

Para evitar conflitos, é interessante que o potencial franqueado receba a COF com bastante antecedência. Ao receber a circular, o empreendedor deve estudá-la com cuidado, inclusive com o apoio de um advogado. Assim, terá tempo para analisá-la e entender qual é o papel de cada uma das partes.

4. Dê atenção à exclusividade territorial

Imagine ter outra unidade da franquia concorrendo com a sua no mesmo shopping, a poucos metros de distância. Se a exclusividade territorial não estiver estipulada em contrato, essa situação pode se tornar real — e motivar muita discussão entre franqueador e franqueado.

O perímetro exclusivo para atuação deve estar determinado em contrato. Existem diversas formatações possíveis. Entre elas, essa área pode ser de exclusividade ou de preferência. No segundo caso, há apenas a prioridade para que o parceiro abra nova loja em seu território. Essas condições devem estar esmiuçadas no acordo.

5. Entenda como funciona o suporte da franqueadora

A qualidade do suporte oferecido pela franqueadora ao franqueado pode evitar a ocorrência de divergências entre as partes. Por isso, é importante avaliar como é feito esse apoio.

O novo parceiro deve receber treinamento e consultoria, sobretudo nos meses iniciais, para que tenha condições de gerir o negócio por conta própria. Passada a primeira fase, é necessária a manutenção da qualidade dos processos, realizada por meio de treinamentos.

Como em toda relação, é comum que existam conflitos entre franqueadores e franqueados no decorrer das atividades e dos processos. Para não transformar discordâncias em disputas judiciais, prejudiciais para ambas as partes, o caminho mais saudável é o diálogo franco e aberto. Nesse sentido, é importante seguir as dicas deste post. Assim você conhecerá muito bem as características da franquia e as regras acordadas no contrato.

Gostou do conteúdo? Então compartilhe este post nas redes sociais!