5 perguntas que você deve fazer ao franqueador

Um bom empreendedor sabe que antes de tomar qualquer decisão é necessário analisar os riscos e conhecer bem as particularidades do negócio. Nesse sentido, nada mais sábio do que ter uma conversa franca e objetiva com os franqueados. Afinal, eles serão capazes de fornecer informações valiosas sobre a marca.

perguntas para o franqueador

Quer saber mais sobre o assunto? Continue, então, a leitura e veja algumas perguntas para o franqueador que são essenciais para ter uma noção melhor da marca!

1. Qual o know how da franqueadora?

Quem atua no mundo dos negócios entende a importância de ter know how, que nada mais é do que o saber prático. Afinal, de nada adianta ter pleno conhecimento da teoria, mas não ter noção de como tirá-la do papel. Isto é: de utilizá-la no dia a dia organizacional.

Nesse contexto, é primordial realizar tal pergunta ao franqueador, certificando-se de que ele possui os saberes necessários — tanto em relação ao mercado de atuação quanto as características do setor de franchising — para alavancar o negócio. Lembre-se, nesse aspecto, de questionar sobre a experiência dele, verificando, por exemplo, o tempo que ele atua na área.

2. Quais as aptidões necessárias para gerir o negócio?

Como já dizia o ditado: quando a esmola é muita, o santo desconfia. Em outras palavras, se o franqueador disser que é muito fácil administrar o negócio e não é preciso ter nenhum tipo de habilidade específica, pode suspeitar.

Por mais que não seja necessário ter uma extensa bagagem da área, aqueles que querem empreender devem ter consciência de que esse é um caminho com adversidades e que exige dedicação, mas que a longo prazo surtirão efeitos extremamente vantajosos. Cabe ao franqueador, nesse sentido, proporcionar uma visão mais ampla do negócio, deixando claro as especificidades do mercado.

3. Qual a taxa de mortalidade da marca?

Não são raros os casos de franqueadoras que apresentam com detalhes os números de crescimento, mas ignoram as taxas referentes à falência. Nada mais sábio, então, do que verificar essa questão com os responsáveis.

Mas não pare por aí! Pesquise não só sobre a quantidade de unidades fechadas, mas também os motivos. Caso o franqueador hesite em fornecer tais dados, possivelmente, há algo de errado. No mais, tenha em mente que a relação entre franqueador e franqueado deve ser totalmente transparente, começando desde o primeiro contato.

4. Como funciona o processo de treinamento?

Antes de tomar a decisão, é essencial entender os processos de treinamento. Então, não pense duas vezes para perguntar sobre esse assunto. Verifique, por exemplo, quantos dias são necessários para efetivar todo o programa.

Vale a pena ainda questionar sobre o local e a infraestrutura. Não se esqueça também de conversar sobre a periodicidade dos treinamentos.

5. Qual a expectativa para os próximos anos?

Você fará parte do futuro da marca. É natural, então, ter curiosidade sobre os planos e perspectivas do franqueador para os próximos anos. Afinal, você não quer correr o risco de investir em um negócio que não tem objetivos a longo prazo ou ainda prevê um futuro modesto e sem muitas mudança — até porque o mundo está em constante evolução e os profissionais e marcas que não acompanham as tendências se tornam obsoletos.

Ao ter em mãos essas informações, você se sentirá mais seguro para investir na franquia, diminuindo assim as chances de se arrepender posteriormente.

Agora que já sabe quais são as principais perguntas para o franqueador, veja qual tipo de suporte você pode obter da franquia.