[estender + 1000] Você sabe qual é o perfil ideal para ser um franqueado2

. Por em Acre.

Read more on "[estender + 1000] Você sabe qual é o perfil ideal para ser um franqueado2" »

É muito comum que as pessoas que se interessam por franquias se questionem sobre o perfil do franqueado. Inclusive, algumas delas se perguntam se é preciso ter uma formação específica ou alguma habilidade especial para ingressar nesse mercado — o qual, mesmo em meio à crise, continua crescendo no Brasil.

Na verdade, qualquer pessoa tem perfil para ser franqueado, pois o mais importante é ter disposição para trabalhar bastante. Algumas outras características são suficientes para ter sucesso nesse tipo de empreendimento, mas elas podem ser desenvolvidas com empenho e dedicação.

Interessou-se pelo assunto e quer saber mais? Acompanhe este texto e conheça 11 aspectos essenciais de um bom franqueado. Confira!

1. Foco nas vendas

Algumas franquias têm uma tendência de dar mais certo com aquele franqueado típico “dono de loja”. Ou seja, ele está sempre em contato com os clientes e trabalha em sintonia com os funcionários.

Outros modelos exigem um franqueado com um perfil mais gerencial da parte interna do empreendimento. Esse entende mais de planilhas, fórmulas e cálculos gerenciais. Independentemente do segmento em que a franquia atua, esses perfis de franqueados têm em comum o foco nas vendas.

Isso significa que eles são bastante antenados em relação às melhores estratégias para vender mais. Dessa forma, eles fazem o possível para aumentar a aquisição de produtos e serviços pelo consumidor.

2. Capacidade de gestão

Embora muitos pensem que um bom franqueado é aquele que tem um perfil de investidor, a verdade é que o negócio só tem a ganhar caso ele tenha aptidão para gerenciar e para ser um bom líder, por exemplo.

Mesmo que a franquia já tenha uma marca e alguns produtos consolidados, esse tipo de empreendimento é um negócio como qualquer outro. Por isso, ter um perfil de gestor é essencial.

Nesse sentido, o franqueado deve ter noção sobre os conceitos de administração, gestão das despesas e dos custos. Também é desejável que ele tenha conhecimento sobre fluxo de caixa e táticas para fazer o negócio crescer com segurança.

3. Disciplinado

Por ser um empreendimento com modelo de negócio preestabelecido, a franquia deve ser gerida por um franqueado disciplinado, uma vez que as orientações formais e técnicas devem ser seguidas à risca e a visão do negócio deve ser preservada.

Com isso em vista, saiba que empreendedores disciplinados são aqueles que alcançam o sucesso de maneira mais rápida, diminuindo as chances de romper ou descumprir cláusulas contratuais da franquia.

4. Dedicação e vontade de trabalhar

Sabe aquela ideia de que tocar o próprio negócio e trabalhar sem ter que seguir ordens de um chefe torna a dedicação ao trabalho menor e menos necessária? Engano puro!

Ao optar por uma franquia, o franqueado terá que cumprir com uma considerável carga horária à frente do empreendimento — pelo menos no início das atividades do negócio. Para isso, ele deverá ter muita dedicação e vontade de trabalhar. Não tenha dúvida: com trabalho intenso, em breve será possível conquistar uma posição segura no negócio.

5. Paixão pelo trabalho

Você certamente já conheceu alguém que fala do trabalho com a maior satisfação, certo? É possível, inclusive, ver os olhos do profissional brilharem quando o assunto envolve o seu serviço. Isso acontece porque ele é realizado com as suas escolhas e realmente é apaixonado pelo que faz.

Essa, normalmente, é uma das características de um franqueado. É fácil entender o motivo. As pessoas passam grande parte do dia no trabalho. Então, nada mais sábio do que optar por uma função que faça o seu coração bater mais forte. Afinal, já diz o ditado: “escolha uma profissão que ame e você não terá de trabalhar um único dia na sua vida”.

Vale destacar, nesse aspecto, a importância de escolher uma franquia que esteja relacionada ao seu perfil. Essa simples ação tornará o dia a dia muito mais prazeroso.

6. Disposto a correr riscos

Infelizmente, não há uma fórmula mágica para o sucesso. Claro que existem certas ações e comportamentos que contribuem para a consolidação do negócio, ajudando a alavancar a franquia no mercado. Contudo, investir em uma franquia nem sempre é um negócio 100% garantido.

Não há dúvidas de que o mercado de franchising configura-se como um dos mais estáveis, com projeções otimistas. Tanto é que no 2º trimestre de 2017 houve um faturamento de R$37,56 bilhões, valor que representa 6,8% de crescimento comparado ao mesmo período do ano passado, segundo dados da Associação Brasileira de Franchising.

Além disso, o número de franquias aumentou em 3,2% nos meses de abril, maio e junho deste ano frente ao ano de 2016. Tais índices mostram que o setor continua em expansão e é um negócio rentável.

Contudo, para que o empreendimento decole, é fundamental ter a participação e engajamento do franqueado, que também precisa saber lidar bem com as adversidades e, claro, correr riscos.

6. Relaciona-se bem

Se existe uma verdade universal é a seguinte: ninguém é autossuficiente a ponto de nunca precisar de outra pessoa. Para alçar voos mais altos e ter uma vida harmoniosa, é fundamental contar com o apoio e o suporte daqueles que nos rodeiam — amigos, conhecidos e familiares.

Na vida profissional não é diferente. Aquele que visa ingressar no mundo do empreendedorismo deve saber relacionar-se bem tanto com os colaboradores quanto com os clientes e fornecedores.

Lembre-se, nesse aspecto, que você muitas vezes lidará diretamente com o público, o que exige muita paciência e jogo de cintura. Além do mais, tenha em mente que o capital humano de uma empresa é valioso e está diretamente ligado ao fracasso ou ao êxito de uma empresa.

7. Comunicativo

Complementando o tópico anterior, um franqueado deve saber se expressar. Não é preciso ser dotado daquela oratória impecável, digna de palestrantes. O fundamental, aqui, é conseguir criar uma comunicação eficiente com todos os envolvidos no negócio, transmitindo adequadamente suas ideias.

Vale destacar, nesse contexto, a importância de eliminar os possíveis gargalos comunicacionais, que dificultam o diálogo e geram situações complicadas. O ideal é que o empreendedor aposte em um vocabulário compatível com o seu interlocutor, garantindo que a mensagem seja transmitida com eficácia.

Pessoas comunicativas também têm mais facilidade em negociar — aspecto fundamental no mundo dos negócios. Por isso, perca a vergonha e aposte no poder da lábia: ela trará resultados satisfatórios.

8. Criativo

Para obter sucesso nesse mercado, é preciso sair da zona de conforto e apresentar ideias inovadoras. Afinal, nenhum empresário quer que o seu negócio seja apenas mais um entre tantos outros, não é mesmo?

É nesse cenário que entra a importância de pensar em alternativas exclusivas, que vão tornar o seu negócio diferenciado. Ao mesmo tempo, o bom franqueado sabe utilizar a seu favor todo o estudo realizado pela franquia, seguindo à risca as regras.

Ou seja, ele deve saber o momento certo de apostar em estratégias revolucionárias, mesclando também com as diretrizes impostas pelo franqueador. Até porque, uma marca de excelência, com inúmeras unidades, já tem a receita certa do sucesso e quer que os seus sócios e parceiros também alcancem patamares mais elevados.

9. Organizado

Organização é a palavra-chave para quem pretende arriscar nesse universo tão promissor. É essencial, por exemplo, realizar um planejamento bem estruturado, verificando a viabilidade do negócio. Não se esqueça, nesse momento, de definir um orçamento e de traçar um plano de ação a curto, médio e longo prazo.

A tecnologia, nesse contexto, pode ser uma forte aliada, uma vez que existem aplicativos e recursos capazes de ajudar a controlar as finanças e até mesmo a organizar melhor a sua agenda e aumentar a sua motivação.

Importante ressaltar, ainda, que o empresário precisa ter pleno conhecimento de tudo o que acontece na franquia. Afinal, “é o olho do dono que engorda o gado”. No entanto, não confunda isso com centralizar as decisões. Pelo contrário: o mais indicado é compartilhar as tarefas e ideias, tornando a rotina mais simples e os processos menos burocráticos.

10. Determinado e disposto

Sem sombras de dúvidas, ter determinação e disposição é imprescindível para ser um franqueado. Afinal, de nada adianta ter mil ideias e não criar um cenário propício para colocá-las em prática.

Os empresários bem-sucedidos sabem que é preciso colocar a mão na massa para fazer os planos acontecerem. Eles têm ciência de que ter iniciativa é o primeiro passo para que novas portas se abram e, com elas, possibilidades únicas.

Então, ao optar por essa alternativa, tendo plena certeza de que quer se tornar um franqueado, tenha atitude e corra atrás dos seus sonhos. Lembre-se de que nada nessa vida chega de graça.

11. Curioso

“Conhecimento nunca é demais”, já alerta a expressão popular. De fato, os profissionais que buscam atualizar constantemente os seus saberes estão um passo à frente dos concorrentes. Engajados, eles buscam por novidades e tentam extrair o máximo de informações sobre o mercado que atuam.

O resultado disso é perceptível na própria franquia, que apresenta um modelo diferenciado e consegue propor uma experiência de compra única para o cliente. Tal característica deixa o consumidor satisfeito, o que facilita o processo de fidelização.

Por isso, se você é do tipo de pessoa curiosa, que se mantém atualizada com as tendências e busca por novos conhecimentos, o ramo do franchising é o caminho certo.

Ao longo deste conteúdo você viu algumas informações e características fundamentais sobre o perfil para ser franqueado. Caso se enquadre nelas, você provavelmente se dará bem nesse ramo.

Gostou do conteúdo? Fique por dentro de outros assuntos afins seguindo a nossa página no Facebook e também no Twitter. Até logo!

(ESTENDER + 500 PALAVRAS) Você comete algum desses 8 erros de gestão na sua pequena empresa?

. Por em Acre.

Read more on "(ESTENDER + 500 PALAVRAS) Você comete algum desses 8 erros de gestão na sua pequena empresa?" »

Fazer a gestão de pequenas empresas vai muito além do conhecimento técnico sobre o produto ou serviço oferecido.

Graças à falta de experiência em administração de negócio, muitos empresários cometem falhas relativamente simples, mas que afetam o crescimento da companhia.

Para ajudá-lo a analisar melhor o comando do seu negócio, listamos alguns erros de gestão que são comuns em pequenas empresas e que, infelizmente, podem fazer parte da sua realidade.

Confira o conteúdo abaixo e se identificar alguma atitude que pertence ao seu universo, trate logo de mudá-la, combinado?

1. Não realizar um planejamento

Um dos erros clássicos dos gestores de pequenas empresa é acreditar que não é necessário elaborar um planejamento.

Esse pensamento pode levar a organização, até mesmo, à falência. Afinal, uma empresa, para se tornar consolidada, precisa de planos efetivos e, claro, que estão de acordo com a realidade financeira do proprietário.

Nesse contexto, criar um cronograma de ações, que contemplam os diversos cenários possíveis, e a solução para cada um deles, é a melhor forma de garantir que o seu negócio obtenha sucesso.

Além do mais, ao produzir um planejamento detalhado, você terá mais segurança para colocar em práticas algumas estratégias que serão capazes de alavancar o negócio, garantindo melhores resultados.

2. Esquecer de estudar o mercado

Outra falha grave, que pode resultar em um quadro caótico, é a falta de um estudo de mercado — independente do segmento. Para conseguir se destacar e sair na frente da concorrência, o empresário necessita observar e estudar a área, encontrando formas de sobressair aos demais.

Qual a expectativa para os próximos anos? Quais os principais produtos e serviços oferecidos pelas empresas desse setor? O mercado em questão tem projeção de crescimento ou de retrocesso? O empresário que quer ter êxito precisa responder a todos esses questionamentos.

Vale destacar que, ao ter ciência dessas questões, existe grande chance de você conseguir encontrar o caminho ideal para fazer o seu negócio prosperar, de forma gradual e constante.

3. Não possuir um sistema de gerenciamento

O sistema de gerenciamento ajuda a nortear a empresa e oferece suporte para uma tomada de decisão segura. Dados como volume de produto no estoque, horas extras, ticket médio e faturamento, são exemplos de relatórios encontrados nos softwares.

Mesmo com esses benefícios, muitos empresários optam por não utilizar essas ferramentas, pois acreditam que se tratam de gastos desnecessários, ou por não terem conhecimento sobre as vantagens que o suporte oferece.

Se isso se aplica à sua empresa, é hora de mudar imediatamente. Os sistemas de gerenciamento representam um diferencial estratégico para o negócio e ajudam na percepção dos erros. Encontre aquele com o melhor custo-benefício para sua loja!

4. Ignorar o estoque de mercadorias na gestão de pequenas empresas

O estoque é essencial para o sucesso de uma organização. Quando a empresa possui muitos itens sem rotatividade, significa que existe investimento sem retorno. A perda pode ser ainda maior quando as mercadorias passam da data de validade.

Em contrapartida, quando faltam mercadorias, o lojista perde oportunidades de venda e seus clientes acabam comprando na concorrência. Normalmente, por falta de tempo ou preparo, muitos gestores abdicam do inventário e prejudicam o empreendimento.

Sendo assim, o ideal é ter uma ferramenta adequada para gerenciar seu estoque, realizar uma contagem periódica, manter uma organização padronizada e fazer as compras com base no histórico de vendas e tendências do mercado. O importante, aqui, é encontrar um ponto de equilíbrio.

5. Não ter controle financeiro

O mau gerenciamento financeiro é um dos principais fatores que levam uma empresa a fechar as portas. Controlar o fluxo de caixa, pagar contas dentro do prazo, fazer um planejamento de gastos e investir corretamente são apenas algumas das atribuições.

Pequenas empresas apresentam, como característica, a mistura do patrimônio dos donos com o da própria organização, fator que prejudica o controle apurado do capital.

Também é essencial realizar um cronograma financeiro para o período, a fim de conhecer quais são os compromissos e traçar uma expectativa de retorno. Com isso, o empresário poderá alterar a estratégia quando for necessário e evitar que o caixa feche no negativo.

Ainda nesse aspecto, é importante ressaltar que o empresário deve ter um registro apurado das operações, certificando-se de anotar detalhadamente cada movimentação financeira.

Fato é que ter um controle minucioso das finanças da empresa é fundamental para manter as contas no azul e, consequentemente, conseguir manter o negócio lucrativo.

6. Não estipular o pró-labore

Os proprietários de pequenas empresas acreditam que o correto é verificar o lucro total e dividi-lo para todos os sócios da firma. Entretanto, esse pensamento é equivocado e pode gerar uma situação complicada na organização.

O ideal, nesse contexto, é determinar um pró-labore fixo para cada integrante — que pode ser igual para todos os sócios ou proporcional ao capital investido de cada um. Mas, em hipótese alguma, o proprietário deve utilizar todo o dinheiro que entra na empresa.

É preciso lembrar que o estabelecimento precisa de dinheiro para realizar as suas operações básicas. Assim sendo, o proprietário deve deixar um valor considerável, que será o capital de giro.

Para não ter erro, tenha em mente que o mais indicado é definir um ganho sob o lucro, mas jamais o valor completo. Pois, se assim fizer, existe grande chance da sua empresa não ir para frente.

7. Dispensar o investimento na equipe

O investimento na equipe não se restringe somente a capacitar ou oferecer benefícios para os colaboradores. É preciso distribuir metas e delegar tarefas para descentralizar as atividades e engajar os empregados.

A partir do momento em que o gestor distribui funções para todos, ele consegue administrar melhor o seu tempo, se dedicar a compromissos prioritários e identificar falhas nos procedimentos.

Treinar o grupo é a melhor maneira de oferecer um serviço diferenciado para o cliente, aumentar as vendas e reter os bons profissionais. Tenha um planejamento preciso para os recursos humanos para conquistar resultados expressivos.

8. Não se aprimorar

O gestor deve levar em consideração que o mundo está em constante mudança e para não se tornar obsoleto, tanto a equipe quanto ele próprio precisa reciclar os conhecimentos. E nada melhor do que cursos, palestras e workshops para atualizar os saberes e conhecer tendências, apresentando assim excelência em todos os segmentos da empresa.

Uma dica importante para melhorar a administração do empreendimento é mapear todos os processos internos, com o intuito de identificar oportunidades de melhoria e traçar planos de ação para solucionar os problemas encontrados.

Curtiu o conteúdo e acha que ele pode ser útil para outros amigos e conhecidos? Então, compartilhe o post nas redes sociais e garanta que eles não cometem tais erros de gestão!